13/09/2017

Minicurso discute principais causas de mortalidade materna

O curso foi voltado para profissionais de maternidades e tratou sobre emergências obstétricas com foco em hemorragias e síndromes hipertensivas

Técnicas (os) de enfermagem e enfermeiras (os) que atuam em maternidades participaram de um minicurso sobre emergências obstétricas com foco em hemorragias e síndromes hipertensivas, nesta terça-feira (12), no auditório da Maternidade Tsylla Balbino. O minicurso foi promovido pela Câmara Técnica de Atenção à Saúde da Mulher (CTASM) do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) e teve como objetivo discutir com os profissionais as causas de mortalidade materna, em especial, hipertensão e hemorragia que são as principais e ocorrem principalmente pela má qualidade da assistência no pré-natal e no parto.

Nadja Alves Carneiro, membro da CTSAM e professora de pós-graduação em Enfermagem Obstétrica, afirmou que a maioria das causas de mortalidade materna são evitáveis. E as reflexões que ela queria fazer com os profissionais eram: onde estamos falhando e o que podemos fazer para melhorar assistência? “Para evitar muitas dessas mortes, não são necessários recursos tecnológicos de ponta, mas sim, medidas simples como uma assistência pré-natal adequada. É preciso existir uma rede que ligue a unidade básica, a hospitalar e terciária para que a mulher seja realmente assistida em sua integralidade”, destacou Nadja.

Segundo Rita Calfa, membro da CTASM e diretora da Maternidade Tysilla Balbino, o objetivo do curso, ao estudar as principais patologias que levam à morte materna, é capacitar os profissionais para que eles estejam aptos ao manejo dessas patologias. A enfermeira Edilene Iglesias Lima, da Maternidade Professor José Maria de Magalhães Netto, achou interessante poder discutir casos com profissionais de outras maternidades, pois, para ela, o conflito entre profissionais com pontos de vista e realidades distintos leva ao esclarecimento de dúvidas e à construção conjunta de um diagnóstico melhor.