18/10/2019

Enfermeiras(os) da Atenção Básica recebem treinamento sobre SAE e Processos de Enfermagem

Encontro reuniu 28 enfermeiras(os) dos municípios de Nova Soure, Olindina e Ribeira do Amparo

Nesta quarta-feira (16), o enfermeiro e membro do Grupo de Trabalho de Sistematização da Assistência de Enfermagem (GT/SAE) do Coren-BA,  Anderson Reis* juntamente com a enfermeira fiscal Daniela Barboza, esteve no município de Nova Soure para promover uma capacitação sobre a aplicação do Processo de Enfermagem (PE) e SAE na Atenção Básica à Saúde (ABS) para 28 enfermeiras dos municípios de Nova Soure, Olindina e Ribeira do Amparo. A atividade aconteceu na Câmara Municipal de Vereadores, em parceria com as coordenações de Enfermagem da Atenção Básica destes municípios.

A capacitação abordou a Resolução Cofen n° 358/2009 que dispõe sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Com uma abordagem prática, o encontro se desenvolveu a partir da realidade de trabalho das enfermeiras na Atenção Básica, as necessidades reais e potenciais para aplicação do PE e da SAE nos serviços e da sua incorporação nas atividades e ações profissionais em Enfermagem, de maneira a zelar pelo exercício ético e legal da profissão.

O enfermeiro Anderson Reis, destacou que “a partir da aplicação de metodologias ativas de ensino aprendizagem, percebeu-se a necessidade de “desfazer os nós” existentes na prática na Atenção Básica, como forma de promover o alcance de avanços essenciais da garantia da autonomia, da qualidade e do cumprimento ético e legal da profissão”. Afirmou ainda que foi um momento importante para reconhecer, a partir dos relatos das enfermeiras, a necessidade real da aplicação do Processo de Enfermagem, junto à atuação na Atenção Básica.

A partir da base teórica apresentada pelo facilitador, as enfermeiras participantes foram conduzidas a levantarem Diagnósticos de Enfermagem, e a definirem as metas presentes na etapa de Planejamento de Enfermagem, como forma de suscitar o levantamento de intervenções de enfermagem e da avaliação dos resultados apresentados a partir das prescrições de cuidados de Enfermagem.

Com o exercício prático, que contou com o suporte técnico da enfermeira fiscal, foi possível reconhecer os problemas mais frequentemente encontrados no fazer profissional na Atenção Básica, organizando-os por meio de linhas de cuidados específicas. Além disso, as enfermeiras(os) discutiram a necessidade da compreensão teórica sobre a temática, que dentre outras dimensões, envolve o debate sobre as dimensões do pensamento crítico, raciocínio clínico e tomada de decisão, bem como a necessidade de incorporá-las no dia a dia como garantia do controle nos registros de Enfermagem e dos preceitos éticos, dispostos no Código de Ética dos Profissionais de Enfermagem.

Finalizando a capacitação, Anderson afirmou que “a partir da experiência prática da aplicação do PE, tomando como base situações reais vivenciadas pelas enfermeiras, em seus contextos de trabalho, observou-se que barreiras existentes para que esta aplicação ocorra, podem ser suprimidas. Com base nesse pensamento, levantou-se reflexões importantes, sobre a necessidade de uma mobilização a nível central envolvendo o Conselho Federal de Saúde e o Ministério da Saúde, como forma de provocar a incorporação das etapas do PE, e as taxonomias e sistemas de classificação de Enfermagem junto ao Prontuário Eletrônico e o E-SUS, vinculados ao sistema de informação da Atenção Básica (SIAB), assim como questões que envolvem a utilização da Classificação Internacional de Atenção Primária (CIAP), por enfermeiras”.

 

*Anderson Reis é enfermeiro, doutorando em Enfermagem pela Escola de Enfermagem da Universidade Federal da Bahia e professor assistente do curso de graduação em Enfermagem dessa instituição e membro do Grupo de Trabalho de Sistematização da Assistência de Enfermagem (GT/SAE) do Coren-BA.