01/09/2017

Em Café com a Presidente, RTs discutem sobre “Dialogar e Gerir Conflitos”

Aconteceu, na manhã desta sexta-feira (1), no Hotel Portobello, em Salvador, mais uma edição do Café com a Presidente. O evento anual do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA) tem como objetivo a troca de experiências e discussões pertinentes aos temas comuns e conflituosos que envolvem a atividade profissional em Enfermagem; e reuniu enfermeiras Responsáveis Técnicas (RTs) de diversas unidades de saúde e representantes de entidades da Enfermagem como Associação Brasileira de Enfermagem Seção Bahia (ABEn-BA) e o Sindicato dos Enfermeiros do Estado da Bahia (SEEB).

A presidente do Coren-BA, Maria Luísa de Castro Almeida, abriu esta edição do Café, agradecendo por todo o apoio que a Gestão Novo Tempo do Coren-BA recebeu de cada Responsável Técnica dentro do serviços e afirmou que contou com o acolhimento, as consultas, os apelos e sugestões delas para traçar as diretrizes desta gestão. Em sua fala Maria Luísa destacou o importante papel das RTs dentro do serviço para fazer a interlocução com as organizações, com a gestão e com as trabalhadoras e trabalhadores de Enfermagem.

Este ano, o Café com a Presidente contou com a participação de Vivina Machado, mestre em Desenvolvimento e Gestão Social pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e criadora do DGCC – Diálogo e Gestão de Conflitos no Desenvolvimento de Lideranças, um método em comunicação dialógica e gestão criativa para lidar com conflitos. Vivina falou sobre o relacionamento das enfermeiras fiscais com as enfermeiras responsáveis técnicas e destacou que, com vias e mecanismos diferentes, ambos os grupos têm o mesmo objetivo que é assegurar a vida. Ela falou também sobre a importância de afinar o relacionamento através do diálogo do Conselho com as RTs e de estar totalmente presente nesses momentos de diálogo e interação.

Após a palestra de Vivina Machado, as RTs contribuíram com a discussão. A enfermeira Cristina Archanjo falou emocionada sobre o quanto é desafiador ser RT e destacou a importância do trabalho das enfermeiras fiscais: “Para quem gosta de cuidar, delegar isso a outras pessoas é muito difícil. E o objetivo da fiscalização é o mesmo do nosso, o de fazer com que pessoas cuidem como a gente gostaria de cuidar. Vibro quando a fiscalização chega na minha unidade, porque fortalece a nossa forma de conduzir e nossa responsabilidade de fazer com que o outro cuide e trabalhe legalmente, com consciência do que está fazendo, do seu papel e da sua missão do cuidar”, afirmou Cristina.