24/04/2019

Divep confirma 85 casos de meningites na Bahia em 2019

Vacina é o meio de prevenção da doença e está disponível nos postos de saúde dos 417 municípios.

Alertar à população para os riscos da doença e a importância de prevenir e diagnosticar precocemente a meningite, são os objetivos do Dia Mundial da Meningite, que acontece nesta quarta-feira, 24 de abril. A meningite é considerada pelos especialistas como uma doença endêmica, podendo ocorrer em qualquer dia do ano. As meningites bacterianas são as mais comuns de ocorrer no período de outono/inverno e as virais ocorrem na primavera e no verão.

A meningite é um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e a medula espinhal. Pode ser causada por diversos agentes infecciosos (bactérias, vírus, fungos e parasitas) ou também por processos não infecciosos como traumatismos, irritação química e neoplasias. Uma variedade de bactérias pode causar meningites. As três mais frequentes são: Streptococcus pneumoniae, Neisseria meningitidis e Haemophilus influenzae.

Situação epidemiológica das meningites na Bahia

De acordo com os dados informados pela Diretoria de Vigilância Epidemiológica (Divep) da Secretaria da Saúde do Estado (Sesab), até o dia 30 de março de 2019, o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) confirmou 85 casos de meningites na Bahia. Desses, 38 foram de meningite bacteriana, 24 foram de meningite viral, 21 de meningite não especificada e dois casos de meningite por outra etiologia (fungos, parasitas). Foram notificados 10 óbitos, sendo sete por meningite bacteriana e três por meningite não especificada.

Em Salvador, foram notificados 33 casos, sendo 12 por meningite viral, 11 por meningite bacteriana, oito por não especificada e dois por meningite de outra etiologia. Foram registrados dois óbitos.

Doença Meningocócica e meningite pneumocócica

Este ano, a Bahia registrou 12 casos de Doença Meningocócica (DM), sendo que dois foram a óbito. Os pacientes residiam em Feira de Santana e Santo Amaro, tinham 30 e 63 anos respectivamente. Os outros casos foram de Salvador, Abaré, Camaçari e Alagoinhas. A maior incidência foi registrada na faixa de 40 a 49 anos. Em Salvador, foram reportados sete casos de DM, sem registro de óbito.

No que se refere a meningite pneumocócica, na Bahia foram 12 casos notificados, sendo quatro óbitos. Os casos foram em moradores de Alagoinhas (1), Maragojipe (01), Juazeiro (2), Salvador (1), Ribeira do Pombal (1), Santa Cruz de Cabrália (1) e Simões Filho (1). Os óbitos ocorreram em Alagoinhas, Simões Filho, Juazeiro e santa Cruz de Cabrália, um em cada município.

Como se prevenir

De acordo com Akemi Erdens, coordenadora do Programa Estadual de Imunizações da Divep, a vacina é o meio de prevenção da doença e está disponível nos postos de saúde dos 417 municípios. “Crianças até um ano de idade tomam as seguintes vacinas: BCG, ao nascer; Pentavalente aos dois, quatro e seis meses; pneumocócica aos dois e quatro meses e reforço aos 12 meses; meningocócica aos 3 e 5 meses, com reforço aos 12 meses”, explica a coordenadora.

Os adolescentes, na faixa etária de 11 a 14 anos, tomam a meningocócica. Para os idosos com alguma comorbidade, mediante relatório médico a exemplo: diabetes, doenças respiratórias, câncer, hipertensão, enfisema, dentre outros, a partir de 60 anos, podem tomar a pneumocócica.

Sintomas da doença

Os principais sintomas são: febre alta, dor de cabeça intensa, náuseas, vômitos, rigidez de nuca e, algumas vezes, manchas na pele (tipo picada de mosquito). Em crianças pequenas, há também o abaulamento de fontanela (moleira inchada). Apesar de grave, a meningite bacteriana tem cura, desde que diagnosticada e tratada rapidamente.

A doença é transmitida quando pequenas gotas de saliva da pessoa infectada entram em contato com as mucosas do nariz ou da boca de um indivíduo saudável. Pode ser por meio de tosse, espirro.

 Fonte: Ascom Sesab