15/08/2019

Coren-BA e Conatenf promovem palestras sobre código de ética, legislação e papel das entidades representativas da enfermagem

  “Exercer a enfermagem é estar do lado do ser

 

“Exercer a enfermagem é estar do lado do ser humano em sua jornada pela existência, cuidando do seu bem estar, de sua vida e de sua saúde”. Este foi o sentimento que norteou o evento “Conatenf em ação”, promovido pelo Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA), em parceria com a Comissão Nacional de Auxiliares e Técnicos de Enfermagem (Conatenf), nestas segunda e quarta-feira (12 e 14/08), no auditório da autarquia em Salvador.

O encontro teve o objetivo de apresentar o Sistema Cofen/Coren, debater ética profissional e legislação da enfermagem e o papel das entidades representativas, e contou com a presença de coordenadores de cursos técnicos e professores de ética e legislação da enfermagem.

Na manhã da segunda-feira, a presidente do Coren-BA, Maria Inez Alves de Farias, juntamente com a primeira tesoureira, Aline Soares, participaram da mesa de abertura ao lado da coordenadora do Conatenf, Rosângela França, e do representante da Fundação Estatal Saúde da Família (FESF-SUS), Uedson Lima.

“É uma grande satisfação receber a Conatenf em nosso estado, parabenizo ao Cofen pela iniciativa de garantir espaço à Comissão nos assuntos referentes aos técnicos e auxiliares de enfermagem, é uma ação propícia e necessária”, comentou a presidente.

A ideia de reunir a Comissão com o representante da FESF-SUS, que apresentou o Programa Primeiro Emprego do Governo do Estado, surgiu da necessidade de discussão sobre a exigência de experiência profissional do mercado de trabalho. Atualmente, o programa é responsável por inserir egressos de cursos técnicos das escolas estaduais nos diversos órgãos estatais, dentre eles unidades de saúde. A seleção dos egressos depende dos resultados em sala de aula.

Durante o evento, Uedson Lima explicou que o programa abrange 34 municípios em diversas especialidades, contemplando ao todo 1.101 profissionais técnicos, onde a maioria dos contratados são técnicos de enfermagem (441) com a exigência de registro no Coren-BA, órgão responsável pela deliberação das inscrições.

Para Aline Soares, o programa é encantador, pois oferece a oportunidade de experiência que o mercado exige. “Logo quando me formei(2002), uma das minhas principais queixas era como conseguir emprego sem ter experiência profissional e quando conheci o programa fiquei muito feliz, porque os profissionais atualmente têm esta oportunidade e são contratados por tempo determinado, com remuneração e capacitação, portanto saem desse ambiente com a experiência de que precisam para novas oportunidades”, elogiou a primeira tesoureira.

A coordenadora do Conatenf, Rosângela França, explicou que o principal objetivo do projeto é levar informação acerca do Sistema Cofen/Coren aos profissionais e estudantes.

“Para nós é um prazer estar na Bahia, agradeço pela parceria com o regional, trabalhamos diretamente com a plenária do Cofen, então levamos também contribuições de cada estado, e com esse projeto levamos informação ampliada e aprofundada”, comentou Rosângela França.

O evento contou também com a participação da gerente do Departamento de Inscrição, Registro e Cadastro, Marlyane Garcia e da enfermeira fiscal Ângela Monteiro que tiraram dúvidas sobre os documentos necessários para a inscrição, bem como as necessidades e papel da fiscalização.

O encerramento das palestras ficou por conta do secretário do Conatenf no Rio de Janeiro, Paulo Murilo, que apresentou questões fundamentais sobre a profissão, tais como os órgãos e funções nas quais a enfermagem está inserida, associações, sindicatos, federações e confederações, bem como o Sistema do Conselho Federal e Regionais.

Encontro nas escolas

Ainda como parte da programação do “Conatenf em ação”, durante toda a terça-feira (13), foram realizados encontros na Escola Técnica de Saúde Evangélica (ETSEL), no Instituto de Saúde São Judas Tadeu (INSSJT)/FORTES e no Centro de Ensino Grau Técnico (unidade de São Cristovão). Todos com salas de aula e auditórios lotados.

“A gente precisa acompanhar mais de perto a formação desses futuros profissionais da enfermagem e explicar o papel do conselho e os normativos do Sistema Cofen/Coren. Foi muito gratificante ver a cara de interesse dos participantes em todas as palestras”, afirma Aline Soares.