17/04/2019

Coren-BA e Cofen participam de reunião sobre saúde na Câmara Municipal de Salvador

Encontro substituiu a sessão solene regimental em comemoração ao Dia Mundial e Municipal da Saúde.

Foto publicada pela vereadora Aladilce Souza

Nesta terça-feira (16/04), a presidente do Conselho Regional de Enfermagem da Bahia (Coren-BA), Maria Inez Alves de Farias e a conselheira do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Maria Luiza de Castro Almeida participaram de uma reunião sobre saúde no Salão Nobre da Câmara Municipal de Salvador.

A vereadora Aladilce Souza (PCdoB) coordenou o encontro que substituiu a sessão solene regimental em comemoração ao Dia Mundial e Municipal da Saúde, que ocorreria no Plenário Cosme de Farias. Diversos fatores, a exemplo da chuva, repercutiram para a mudança da forma do debate.

Um dos pontos destacados durante o encontro foi o relatório publicado este mês pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), Nações Unidas e membros da Comissão de Alto Nível “Saúde Universal no Século XXI: 40 anos de Alma-Ata” com dez recomendações sobre o que os países podem fazer para assegurar que todas as pessoas tenham acesso à saúde na região das Américas. Dentre as orientações, garantir financiamento eficiente e sustentável é um ponto chave para que o objetivo seja alcançado.

“Precisamos refletir sobre como a redução de investimentos na saúde com a PEC 95 traz riscos à sociedade brasileira, o momento é preocupante”, alertou a presidente Maria Inez Alves de Farias.

Palestrante do encontro, a doutora em Saúde Pública pela Universidade Federal da Bahia, Gisélia Santana, afirmou que o estado tem a obrigação de garantir a saúde da população. Ela acrescentou que “restrições financeiras estão impactando, trazendo prejuízos na ampliação do sistema e precarização do trabalho”.

A conselheira Maria Luíza de Castro defendeu uma saúde pública inclusiva e relacionou o tema do debate com a qualidade de vida das pessoas e a garantia dos direitos sociais.

Conquistas

Ao destacar a evolução do Sistema Único de Saúde, Gisélia Santana lembrou das conquistas asseguradas na Constituição de 1988, que reconhece a saúde como direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visam à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção.

Ela também falou da evolução da saúde em outras partes do mundo, com o estado passando a assumir responsabilidades por conta do aumento do número de mortes nos centros urbanos, em expansão, e com precárias condições de saneamento básico.

Também participaram da reunião Jacira Conceição, presidente da Associação Lúpicos Organizados da Bahia; Vanessa Fonseca, representando a Secretaria Municipal da Saúde; André Soares, diretor de cultura da Associação de Crianças e Adolescentes, dentre outros interessados no assunto.
*Com informações da Diretoria de Comunicação da Câmara Municipal de Salvador